Acessibilidade: -A +A normal

 
Prefeitura Municipal de Contagem
   

Servidoras contam a história do planejamento urbano de Contagem

Arquitetas da prefeitura apresentaram trabalho mostrando desenvolvimento da cidade, em evento nacional

Divulgação

O trabalho das arquitetas relata a atuação do Escritório de Planejamento Urbano de Contagem, o EPUC, que existiu no final da década de 1960

As arquitetas e urbanistas Floriana Gaspar, Luciane Carvalho e Samantha Santanna foram a São Paulo representar Contagem no XVII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, realizado entre os dias 22 e 25 de maio.

Além de participarem das diversas atividades do encontro, as servidoras apresentaram trabalho contando parte da história do planejamento urbano de Contagem. O trabalho relata a atuação do Escritório de Planejamento Urbano de Contagem (Epuc), que existiu no final da década de 1960. Segundo Luciane Carvalho, essa “é uma parte importante da história, que poucos conhecem e que foram feitas propostas fundamentais para o desenvolvimento de Contagem, entre elas destaca-se o Centro das Indústrias de Contagem - Cinco e a represa de Vargem das Flores”, disse. 

“Enquanto a primeira ação visava o desenvolvimento econômico, a segunda era para dar viabilidade e infraestrutura para a população residente e para a implantação das indústrias, projetando Contagem no cenário nacional do desenvolvimento,” concluiu Luciane. 

A arquiteta Floriana Gaspar destaca a importância de  conhecer a história do município para se pensar a construção do futuro da cidade. “Para nós que trabalhamos com a cidade é muito importante conhecer a história do planejamento urbano Do município, isso nos permite não só entender a estrutura urbana atual da cidade como também nos ajuda a evitar os mesmos erros cometidos no passado. Um planejamento de vanguarda se faz assim, sabendo de onde viemos e para onde queremos ir”, disse. 

As arquitetas destacaram ainda a importância dos servidores participarem desses eventos, pois possibilita a troca de experiência com outros municípios, além de entender as possibilidades e limites do planejamento urbano e ambiental no cenário social e econômico nacional e trazer para o município novas técnicas e conceitos,  em um constante processo de formação profissional e renovação das ideias.

   

REPÓRTER: Túlio Andrade   FOTO CRÉDITO: Divulgação   

PUBLICAÇÃO: 02/06/2017 17:29:48